quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

2000...inove!




Inovemos, pois, a VIDA...

Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, passaram-se 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
Seguiria em frente e iria jogando, pelo
caminho, a casca dourada e inútil das horas...
Dessa forma eu digo:

Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta
de tempo, a única falta que terá,
será desse tempo que infelizmente não voltará mais.

(Mario Quintana)


Feliz 2009 a todos os que me querem bem, e aos que não querem também.

Imagem: Detalhe - Parque das Águas.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Para 2009...Amor pra recomeçar

Eu te desejo
Não parar tão cedo
Pois toda idade tem
Prazer e medo...

E com os que erram
Feio e bastante
Que você consiga
Ser tolerante...

Quando você ficar triste
Que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra
Que rir é bom
Mas que rir de tudo
É desespero...

Desejo!
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Prá recomeçar
Prá recomeçar...

Eu te desejo muitos amigos
Mas que em um
Você possa confiar
E que tenha até
Inimigos
Prá você não deixar
De duvidar...

Quando você ficar triste
Que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra
Que rir é bom
Mas que rir de tudo
É desespero...

Desejo!
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Prá recomeçar
Prá recomeçar...


Eu desejo!
Que você ganhe dinheiro
Pois é preciso
Viver também
E que você diga a ele
Pelo menos uma vez
Quem é mesmo
O dono de quem...

Desejo!
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Prá recomeçar...

Eu desejo!
Que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor
Prá recomeçar
Prá recomeçar
Prá recomeçar...

Composição:Frejat, Mauricio Barros,Mauro Sta. Cecília

sábado, 27 de dezembro de 2008

Improviso do Amor-Perfeito


Naquela nuvem, naquela,
mando-te meu pensamento:
que Deus se ocupe do vento.
Os sonhos foram sonhados e o padecimento aceito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Imensos jardins da insônia,
de um olhar de despedida
deram flor por toda a vida.
Ai de mim que sobrevivo
sem o coração no peito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Longe, longe,
atrás do oceano que nos meus se alteia
entre pálpebras de areia...
Longe, longe... Deus te guarde
sobre o seu lado direito,
como eu te guardava do outro,
noite e dia, Amor-Perfeito.


Cecília Meireles
Imagem: Parque das Águas - Campinas

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

...necessário, somente o necessário.


O nosso Natal foi passado em casa, as crianças e eu, dessa vez sem a presença de Leandro (pai) que mesmo sendo convidado insistentemente, resistiu pra vir e optou por ficar sozinho.
Na véspera usamos boa parte do dia para a compra de alguns presentes. Foi diferente. Sempre evitamos isso ao comprarmos os presentes com alguma antecedência. Percebemos que pode ser divertido. Fomos à pé ao Unimart e vimos as filas de carro que se formavam na entrada do estacionamento, entramos nas lojas cheias para comprar uma lembrancinha, enfrentamos filas pra pagar e pra sermos atendidos... nos divertimos com muito pouco mesmo.
Na volta, passamos ainda no Enxuto, para comprar os fios de ovos, tomamos um lanche no café e retornamos em tempo para que eu preparasse a ceia.
Por volta de 22:00h saímos para cumprimentar alguns amigos e familiares e retornamos à casa para a ceia.
O nosso Natal foi simbolizado como o Natal do essencial, dos enfeites na árvore à comida e aos presentes.
Antes da ceia, agradecemos ao alimento, à vida, à saúde e à presença, mesmo não estando diretamente conosco, de todos as pessoas que nos são queridas, sejam parentes ou amigos e que estão significativamente relacionadas conosco.
Já no dia de ontem, com o tempo chuvoso, o único compromisso foi com o ócio: acordar tarde, ficar de pijama a maior parte do tempo, comendo e dormindo, vendo tv, lendo, recordando situações da infância...
Hoje já não chove; o dia tem novo brilho e as expectativas se renovam, sob a luz do sol.

Tim, Tim!!

domingo, 21 de dezembro de 2008

...uma mãozinha

A Larissa está participando de um concurso (online) de anime; Seu desenho está concorrendo nessa página:
http://www.animemaniaco.com.br
Entre e dê seu voto, dando cliques, conforme os passos:
a) vote no melhor
b) 12 a 18 anos;
c) os mais recentes, escolha: os mais votados;
d) Passe o mouse sobre os desenhos até mostrar os dados:
Sessão Animax - Larissa dos Anjos - SP
e)clique sobre o desenho e vote.
f) entre no seu e-mail para validar o voto.
Obrigada!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Demais de muitas


"...a cabeça da gente é uma só,
e as coisas que há e que estão para haver são demais de muitas, muito maiores
diferentes,
e a gente tem de necessitar de aumentar a cabeça,
para o total.”

Texto: Guimarães Rosa - “Grande Sertão: Veredas”

domingo, 14 de dezembro de 2008

Eu já não sei


Eu já não sei
Se fiz bem ou se fiz mal
Em pôr um ponto final
Na minha paixão ardente
Eu já não sei
Porque quem sofre de amor
A cantar sofre melhor
As mágoas que o peito sente

Quando te vejo e em sonhos sigo os teus passos
Sinto o desejo de me lançar nos teus braços
Tenho vontade de te dizer frente a frente
Quanta saudade há do teu amor ausente
Num louco anseio, lembrando o que já chorei
Se te amo ou se te odeio
Eu já não sei

Eu já não sei
Sorrir como então sorria
Quando em lindos sonhos via
A tua adorada imagem
Eu já não sei
Se deva ou não deva querer-te
Pois quero às vezes esquecer-te
Quero, mas não tenho coragem

(Domingos Gonçalves Costa / Carlos Rocha)

sábado, 13 de dezembro de 2008

O que é um ano...


O tempo não tem retorno,
vive na memória,
já não existe,
apenas acontece,
não se muda,
não se repete.
O tempo passa.
Passam as pessoas.
Coleccionam-se experiências,
experimentam-se vivências,
vive-se o tempo,
que apenas acontece,
que não tem retorno,
até ser passado.
(António Manuel Rodrigues)

Um ano. Para além do que revela o percurso de um extremo e outro na linearidade do calendário, tanto mais sentido teve o que foi circunscrito e se mostrou como o recheio desse intervalo fugidio.
Tempo simbólico. Tempo tecido. Tempo construção.

Tempo cronológico. Quando submetido aos diversos instrumentos cada vez mais precisos e que se desdobram em múltiplas e minúsculas unidades, mostra a ânsia que temos, por vezes, voraz,
em segurá-lo pelo pescoço e esganá-lo,
capturá-lo para controlá-lo,
e noutras, docemente,
tomá-lo pelas mãos e conduzí-lo,
ou simplesmente detê-lo...adiá-lo...
Tempo pseudo-dominado, que denuncia o rompimento da relação direta homem-mundo e descortina as cores culturais que nos legitimam a nomear a cada segundo do presente, à memória do passado e às expectativas de futuro, as sensações e sentimentos que desses tempos decorrem.
Nessa dimensão outra, excluídos do 'eterno-presente' nos desvinculamos definitivamente dos nossos antepassados (e da natureza) ao não vivermos o mundo como ele se apresenta.
Tempo tecido,
Tempo simbólico,
Tempo construção.
Imerso no mosaico de instrumentos, de símbolos e de sentidos, esse modesto blog completa hoje um ano.
Culturalmente, ainda bebê, foi se constituindo de nuances entre a robustez e a fragilidade das palavras. Palavras que também são marcos. Que constrangem, que delimitam, que inflam, que multiplicam e que nessa plasti-elasticidade, tecem territórios e definem mundos.
Palavras emprestadas, que passam de mão em mão, de boca em boca, de pensamento em pensamento...
É pela palavra que eu o homenageio, na sua meninice, através da poesia.

Formas de abençoar

Fique aqui mesmo,
morra antes de mim,
mas não vá para o mundo.
Repito: não vá para o mundo,
que o mundo tem gente, meu filho.

[...]Há uma mentira por aí chamada infância, você tem?
Mesmo sem a ter, vai pagar essa viagem que não fez.
[...]
No início, todos o perdoam, esperando que você cresça,
esperando que você cresça para nunca mais perdoá-lo.

(Alberto da Cunha Melo - poeta brasileiro)

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Como viver para sempre


"[...]...vive para sempre quem sabe que esse instante é tudo o que temos – nem mais nem menos que agora, e agora, e agora, e agora. Só vive para sempre quem é infinito por dentro, se expandindo nas pessoas de quem se gosta.
[...] Quem antevê com olhos de sonho e migra em passos de dança.
Quem cai em pirueta porque tem uma cama elástica no fundo do poço.
Quem faz amizades de cama-de-gato, enredando corações em linhas de pequenos grandes gestos. "
Parabéns às "Pedras Preciosas"

texto:http://volumetria.wordpress.com/2007/12/18/como-viver-para-sempre/
Imagem: Ballet Cristiana Packer - "Como viver para sempre" - 07 e 08 de Dezembro - Teatro do Centro de Convivência de Campinas.